domingo, 16 de março de 2014

Punk Rock e Beleza Formal

Estando nevando tanto aqui, ultimamente tenho relido minha cópia de Kamikaze Girls (o romance). Na primeira vez que li, eu sublinhei e fiz anotações nas margens com a ideia de eventualmente escrever algo profundo, cheio de significado, um artigo digno de clube do livro sobre ele. Tal artigo nunca ocorreu. Eu acho que a coisas mais preciosas para mim nesse livro, eu não posso expressar, ou talvez eu não queira revelar - como um coração secreto. Toda a sua graça, para mim, está trancada além da silenciosa e cheio de promessas sobrecapa em estilo renda-e-bordado.

Conforme eu chegava ao fim da história hoje entretanto, eu descobri uma nova seção do livro que eu não tinha lido - ou, bem, eu devo ter, já que sublinhei e anotei, mas eu certamente não me lembrava. Eu pensei que eu postaria aqui para vocês lerem, para absorverem sua sabedoria. As partes em negrito são as seções que sublinhei a mão na minha cópia.

(Nota: essa palavra final foi escrita especialmente para o lançamento do livro inglês/americano, que ocorreu depois de o filme passar/se tornar popular nos EUA. Essa palavra final é escrita especialmente para as lolitas de além-mar.)



Eu imagino que algumas de vocês escolheram esse romance depois de terem visto a adaptação para filme.

Bem, prazer em conhecê-la. Eu sou Novala Takemoto, um escritor Rococó que vem correndo impetuosamente na moda lolita completamente desabrochado há anos, apesar de ser um homem hétero.

Momoko, a garota que conta a história, é basicamente meu alter ego. Então se você se encontra identificando-se com o espírito de Momoko, isso significa que eu fui compreendido do outro lado do oceano, e isso me faz muito feliz.

Lolita é uma forma única de moda urbana que emergiu no Japão no final dos anos 70. Não há líderes no mundo lolita. Eu sou algumas vezes apresentado como uma autoridade em lolitas, e aprecio o apoio avassalador entre leitores com gostos lolita, mas mesmo assim, se minhas declarações e opiniões não encontram sua aprovação, eu encaro áspera repreensão. Lolita não reconhece nenhuma autoridade. Elas seguem apenas os valores que escolheram para si mesmas, apesar do que qualquer outra pessoa possa dizer.

Em outras palavras, lolita possui um espírito impassível na raiz que não pode ser atingido por homens, hoje. "Impassível", essa atitude estilosamente indiferente que se originou entre homens americano, deste modo passado adiante para um segmento que garotas no Japão chamaram lolitas. E agora está sendo passado de volta para garotas na America. Isso pode ter sido inevitável. A razão pela qual eu venho escrevendo livros sobre lolitas desde a minha estreia, Kamikaze Girls e outros livros, é que a sensibilidade impassível é a fonte do meu próprio estilo de vida e criatividade.

Enquanto lolita é um gênero de moda que brotou espontaneamente, ela realmente tem regras estritas. Franjas devem ser cortadas retas cobrindo as sobrancelhas, saias devem ser usadas sobre anáguas, e assim por diante. Desde que você se atenha a o que é elementar, o resto depende de você - você é livre para adaptar o look do jeito que te agradar, e abrir precedentes para a sua própria definição original de lolita.

Lolita é uma fusão do espírito do punk rock com a beleza formal que honra a tradição. Lolitas valorizam independência e beleza acima de todo o resto.


Em Kamikaze Girls, as duas garotas são atraídas pela natureza independente uma da outra e eventualmente acabam respeitando uma a outra. Mesmo que seus gostos e princípios sejam diferentes, elas se tornam ligadas pela amizade verdadeira porque elas aprendem a respeitar a estética por trás desses gostos e princípios.

...Por aqui, eu peguei a cópia japonesa de Kamikaze Girls que eu posicionei ao meu lado para escrever essa palavra final para a edição americana, e reli a última parte pela primeira vez em eras. Aah, esse discurso da Ichigo é muito bom, não é? Aquele que começa com "Momoko aqui não é minha amiga, vê?" Isso trouxe lágrimas aos meus olhos. (Ei, não leia suas próprias coisas e comece a chorar!)

Na verdade, no entanto, me pediram para escrever uma palavra final para a edição americana e eu disse ok, mas sabe de uma coisa? Tudo o que eu queria dizer, que é basicamente a mensagem de "vamos todos nos dar bem enquanto seguimos nossos próprios caminhos e fazemos qualquer diabo de coisa que quisermos!" está empacotado no próprio livro. Eu não acho realmente que eu tenha nada para acrescentar a isso nesse ponto. Apenas conectar com você, que estará lutando essa batalha comigo de agora em diante, é o suficiente para mim.


Wow. Uma coisa poderosa, realmente, quando você pára para pensar. Frequentemente Takemoto começa a divagar de uma maneira fofa e misteriosa, mas então ele tem momento abruptos de perfeita clareza - e essa carta tem alguns insights brilhantes. Eu acho que ele levantou vários bons pontos que nós faríamos bem em lembrar nessa simples, muitas vezes não lida carta para as lolitas de então - e agora. À propósito, mantenha em mente que ele escreveu isso no que nós agora nos referimos como "os dias do old-school", algo entre 2004 e 2006 - bem antes da súbita mudança da moda lolita nos anos 2000 (quando a Angelic Pretty dominou a cena e as prints multicoloridas começaram a crescer em popularidade).

Para começar, ele nos pegou: lolitas, por alguma razão ou outra, desgostam de autoridade. Qualquer um que clama ser uma figura de autoridade na moda lolita faz com que levantemos nossa guarda. A muito elogiada "expert lolita", La Carmina, vem a mente. Agora, por que isso? Acho que é a nossa reação natural a ser cercada por alguém que clama ter todas as respostas. Assim que alguém diz, "Eu sou uma expert em _____ (digamos, classic lolita)" muitas garotas também dizem, "Mas você não está pensando sobre isso nesse ponto de vista." Como ele continua dizendo, isso é por que lolita é algo pessoal. Eu sei que nós pensamos nela como uma moda, uma subcultura, uma comunidade, um conjunto de guias, mas no final do dia seu amor e interpretação de lolita é com você. Só você. Eu recentemente li uma citação que era algo como: "Você pode falar e compartilhar a noite toda, mas quando você dorme todos vocês tem sonhos diferentes." Dentro da silhueta lolita nós todas temos nossos próprios mundos de fantasia e sonhos diurnos - de lugar, tempo, localidade, cor, e moda, que emerge através das roupas. Eu pessoalmente tendo a achar um senso de "lugar" - quando eu vejo certas roupas, eu imagino a cena e mundo do qual elas vem. Pink House me faz pensar em campos gramados e velhos pomares no verão, passando para o outono; Angelic Pretty me faz pensar nas casas de boneca cor-de-rosa da Barbie e lojas de refrescos retrô. Mas outras garotas podem ter um senso de presença, como imaginar elas mesmas nas roupas, ou talvez um senso de som (imaginando uma peça de música?) para as auricularmente inclinadas. Eu sei que uma das minhas amigas expressa suas emoções em vídeos - eu me pergunto se as roupas dão a ela um senso de um vídeo musical silencioso?

Conforme você cresce dentro do seu estilo, brinca com outros, e desenvolve seus gostos estéticos, você começa a definir o que lolita significa para você. Não as comunidades, não o que é popular online, não para as revistas - mas para você. Ao invés de sentar e seguir as regras ou um subconjunto, faça as suas próprias. Outro dia, conforme eu pensava sobre Lolita Princess e sua aparência pura, eu me encontrei sonhando com um subestilo! Era lolita? Era mori girl ou hime-kei? Era um pouco misturado de vários lugares? Pode apostar. Quanto mais estilos parecem evoluir e explodir no Japão, mais eles não parecem tão diferentes. Garotas estão começando a meter o nariz alegremente em tudo de gyaru a pop-kei, mori girl e hime-kei. Eles parecem muito diferentes na superfície, mas abaixo dessa camada superficial eles são profundamente similares. A noção de bonecas, feminilidade, princesas, heroínas nos livros de histórias... são todas do mesmo mundo, não são? Definir seu estilo lolita não precisa ser simplesmente dentro do confinamento da lolita-ao-pé-da-letra. Dê uma olhada no "estilo lolita" dele acima - certamente não é um coordinate lolita feito em série! Ele combina suas peças de brand favoritas (frequentemente Baby the Stars Shine Bright e Vivienne Westwood) para definir seu próprio estilo andrógino, tendendo mais ao masculino ou feminino de acordo com o que ele acha que funciona.

Okay, nós não somos todas escritores andróginos usando meias 3/4 e bloomers como calças - mas muito do que as garotas que usam lolita no dia-a-dia redefinem seus estilos fora da caixinha. Moss Garden, por exemplo, é um bom exemblo de um "blog lolita" que se sente livre para se aventurar em outros reinos do estilo como natural-kei, dolly-kei e mori girl. Fairytale a La Mode, que nós classificaríamos em sua maioria como classic lolita, frequentemente vagueia a outros caminhos. Talvez seja por que como lolitas, isso nunca realmente nos deixa? Como Takemoto diz, vamos todas seguir nossos caminhos e nos dar bem enquanto fazemos o que quisermos! (...eu divago algumas vezes também, mas não de uma maneira fofa e misteriosa. É mais um estilo levantar de sobrancelhas, wait-what?)

De alguma forma, você também poderia considerar essa palavra final como uma motivação, sobre independência e coragem e até, talvez, apesar das nossas diferenças, solidariedade. Muitos dos seus poemas também tocam no assunto da coragem. Como qualquer uma que tenha saído pela porta de casa usando um full outfit lolita sabe, coragem - e insegurança - podem ser companheiras constantes. E isso não é dizer que se esconder debaixo das cobertas vai consertar esse problema - você pode encontrar tanta desaprovação online quanto na via real. Especialmente para alguém que decidiu ser independente e seguir o próprio caminho. Mas como a história de Momoko e Ichigo nos mostra, não são seus interesses em comum ou mesmo valores que as aproximam. É que elas reconhecem a mesma faísca de independência dentro uma da outra - em uma entrevista, Takemoto as chama de "gêmeas de alma", meio que o nosso dito: "duas faces da mesma moeda". Depois de toda a referência dele sobre seguir seu próprio caminho e desenvolver seu próprio estilo, ele também nos encoraja a apoiar aquela independência nos outros (mesmo que "outros" signifique yankis nojentas que cospem, é claro - ou, basicamente, outros estilos que não sejam sua xícara de chá). Ele quer que sigamos em frente, sejamos corajosas, e fiquemos ao lado dos outros que estão fazendo o mesmo.

Eu poderia continuar a dissertação sobre Novala Takemoto para sempre. Como minha jornada lolita começou com Kamikaze Girls, eu suponho que eu poderia dizer que sem sua escrita, eu não estaria onde estou hoje. Então de uma maneira pequena, eu espero que essa palavra final fique com você. Faça você pensar, ou se posicionar. Lembre-se: os valores lolita de independência e beleza acima de tudo; o espírito punk rock fundido com a beleza e amor de um mundo de fantasia. A princesa, a boneca, a donzela - está finalmente se levantando pelo direito de ser ela mesma. Eu espero que você o faça, também.



Créditos:
Original:
Punk Rock and Formal Beauty, do blog Parfait Doll
Tradução: Ichigo

3 comentários:

  1. Que lindo, cara. <3
    Obrigada por traduzir, Ichigo!

    ResponderExcluir
  2. "vamos todos nos dar bem enquanto seguimos nossos próprios caminhos e fazemos qualquer diabo de coisa que quisermos!" Melhor frase! <3

    ResponderExcluir