sexta-feira, 21 de junho de 2013

Merry Yule! ♥

Yule é o sabbat de Equinócio de Inverno. É a noite mais longa do ano, marcando os dias em que as horas de luz começam a crescer e as de escuridão diminuir. É um festival que celebra o renascimento do Sol, o amor e a união da família.

No Hemisfério Norte Yule é comemorado em 21 de dezembro, bem próximo do Natal. Aliás, o Natal é uma festa cristã adaptada do sabbat de Yule, como creio ser possível deduzir pelas diversas semelhanças que apresentam, como a decoração da árvore e as guirlandas de visco e azevinho (se bem que hoje são feitas de arame e fiapos de plástico piniquento...).


O visco era considerado extremamente mágico pelos druidas, que o chamavam de "árvore Dourada". Eles acreditavam que ela possuía grandes poderes curadores e concedia aos mortais o acesso ao Submundo. Houve um tempo em que se pensava que a planta viva, que é na verdade um arbusto parasita com folhas coriáceas sempre verdes e frutos brancos revestidos de cera, era a genitália do grande deus Zeus, cuja árvore sagrada é o carvalho. O significado fálico do visco originou-se da idéia de que seus frutos brancos eram gotas do sêmen divino do Deus em contraste com os frutos vermelhos do azevinho, iguais ao sangue menstrual sagrado da Deusa. A essência doadora de vida que o visco sugere fornece uma substância divina simbólica e um sentido de imortalidade para aqueles que o seguram na época do Natal.

A tradição relativamente moderna de decorar árvores de Natal é costume que se desenvolveu dos bosques de pinheiro associados à Grande Deusa Mãe. As luzes e os enfeites pendurados na árvore como decoração são, na verdade, símbolos do sol, da lua e das estrelas, como aparecem na árvore Cósmica da Vida. Representam também as almas que já partiram e que são lembradas no final do ano. Os presentes sagrados (que evoluíram para os atuais presentes de Natal) eram também pendurados na árvore como oferendas a várias deidades, como Attis e Dionísio.


Outro exemplo das raízes pagãs das festas de Natal está na moderna personificação do espírito do Natal, conhecido como Santa Claus (o Papai Noel) que foi, em determinada época, o deus pagão do Natal. Para os escandinavos, ele já foi conhecido como o "Cristo na Roda", um antigo título nórdico para o Deus Sol, que renascia na época do Solstício de Inverno.

Há anos atrás eu assisti a um filme de animação que contava a história do Papai Noel. Ele era um bebê humano que foi abandonado na floresta e encontrado e criado por fadas que o chamaram de Nicolau (daí o apelido de "Claus"). Ele recebeu o presente da imortalidade dos deuses pelo bem que vinha fazendo aos humanos.

Colocar bolos nos galhos das macieiras mais velhas do pomar e derramar sidra como uma libação consistiam num antigo costume pagão da época do Natal praticado na Inglaterra e conhecido como "beber à saúde das árvores do pomar". Diz-se que a cidra era um substituto do sangue humano ou animal oferecido nos tempos primitivos como parte de um rito de fertilidade do Solstício do Inverno. Após oferecer um brinde à mais saudável das macieiras e agradecer a ela por produzir frutos, os fazendeiros ordenavam às árvores que continuassem a produzir abundantemente.

Os alimentos pagãos tradicionais do Sabbat do Solstício do Inverno são o peru assado, nozes, bolos de fruta, bolos redondos de alcaravia, gemada e vinho quente com especiarias. As cores tradicionais das velas são dourada, verde, vermelha e branca (tudo bem natalino, huh? xD).

Créditos:
Círculo Sagrado

12 comentários:

  1. Simplesmente amei esse post! Tudo que você postou é realmente interessante e explica muito de onde vem a influência do Natal "cristão". Ahhhh eu já assisti esse filme que você falou! Você lembra o nome dele? É um dos meus favoritos da época que o Cartoon Network passava dezenas de lindos filmes de Natal (pena que hoje em dia não tem mais).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É interessante como vários dos feriados cristãos tem influência claramente pagã! Por exemplo, Ostara é a Páscoa e Beltane as festas juninas!
      Não lembro o nome do filme, infelizmente...
      O Cartoon Network decaiu muito, credo x_x Saudades Cartoon Cartoons e Adult Swin...

      Excluir
  2. Gostei muito do Post.
    De fato, muitas de nossas comemorações vem da cultura pagã e seus sabbat's, poucas pessoas sabem disso ou falam á respeito.
    É uma pena que muito dessa cultura foi destruída... Mas enfim

    xoxo
    Belle

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que muita gente não fala pq acha que é tudo do demônio >:
      É uma pena mesmo o que a ignorância faz com as pessoas... x_x

      Excluir
  3. Adorei o post, adoro saber sobre as culturas pagãs antigas, mas tenho muita preguiça de procurar por essas informações, obrigada por posta-las aqui <3

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. uhauehuaehuae que preguiçosa, Carol xD
      Lá no Círculo Sagrado (que eu sempre linko aqui) tem bastante coisa facinho de achar :3

      Excluir
  4. Acho bem interessante!
    Sou cristã, mas gosto dessas coisas. Acho tão bonitas e antigas rs

    ResponderExcluir
  5. Interessante, mas não existe "Equinócio de Inverno" e sim Solstício de Inverno. Equinócio se da para Primavera e Outono, assim como é Solstício de Verão.

    ResponderExcluir
  6. Oi, eu gosto muito de estudar povos antigos. Principalmente tradições que seguimos sem saber a a origem. Por isso olha uma das origens do Papai Noel.

    "A origem do Papai Noel se da no século IV no bispo de Mira ou Nicolau de Mira que doou seus bens aos pobres e tinha o costume de deixar saquinhos de moedas próximas às chaminés e presentear crianças pobres. Esse personagem foi levado de colonos Holandeses até a America do Norte onde recebeu o nome de Santa Claus. (...)"

    ResponderExcluir